Feeds:
Posts
Comentários

Archive for the ‘Atualidade’ Category

Campanha “Não Passe o Natal Sozinho” do CVV
oferece apoio aos internautas

O Natal é uma data de festas, presentes e união. Mas não para todos. Para uma parcela da população, esta época de comemorações potencializa ainda mais seus sentimentos de solidão, depressão ou rejeição. Foi pensando nessas pessoas que a Leo Burnett Brasil criou para o CVV (Centro de Valorização da Vida) a campanha “Não Passe o Natal Sozinho”.

O objetivo é oferecer apoio emocional àqueles que se sintam deprimidos no Natal, ao ampliar o horário de atendimento do chat no qual os voluntários do CVV estarão on-line para conversar com o público da noite de 24 até a madrugada do dia 25 de dezembro (19h de 24/12 a 1h de 25/12).

Com isso, as pessoas terão a certeza de encontrar voluntários preparados para ouvir de um simples oi a um grande desabafo. E para lhes oferecer um momento de carinho e esperança, a que todos têm direito o ano todo, especialmente no Natal.

O serviço será divulgado em portais como Folha.com, Cinepop, Bares SP, Manager, Tecnoblog e Clicfilhos e pode ser acessado pelo link: www.cvvweb.org.br/natal.

Nos demais dias do ano, o atendimento do CVV está disponível on-line das 19h às 22h45 pelo www.cvvweb.org.br, e pelo telefone 141, 24 horas por dia.

Read Full Post »

por Carlos Thompson

São Paulo, 12%. Esse índice nos apavorou nesta sexta-feira, dia 27 de agosto. O percentual de umidade que nos vem nos equiparando, há alguns dias, aos desertos do planeta. O ar seco faz muito mal à saúde. Mas o mais triste é perceber que nada fazemos para melhorar a qualidade do ar, enfim, da vida, na maior cidade do País, uma das mais importantes do mundo.

Vejo as pessoas jogando lixo nas ruas. Caminhões e motos com fumaça tóxica rodam tranquilamente pelas ruas e avenidas de São Paulo.

O transporte coletivo, uma das melhores saídas, continua muito ruim. O metrô, uma ilha de excelência, cresce a passos de tartaruga e está prestes a colapsar. Quem duvida, repare nos cercadinhos que têm a função de organizar o ingresso nos vagões. A conta não fecha: há gente em excesso, vagões de menos. Trens param de repente, enquanto outros manobram.

Ou seja, ainda estamos longe, bem longe, de uma solução viária cidadã para o patológico trânsito da cidade, que já não transita, se me permitem a imagem.

Há inspeção veicular obrigatória, mas veículos sem condições continuam empestando o ar e congestionando o tráfego. Que não trafega.

Outro subproduto deste país que estimula a venda de automóveis – mas que não cobra o uso dos impostos extorsivos na construção de avenidas, túneis, viadutos, estacionamentos públicos baratos –, é a extrema violência dos motoristas. Todos estressados, travamos uma guerra diária por espaço nas ruas. Então, neste funil, nós nos ofendemos, agredimos e até nos matamos.

Ainda bem que estamos em período eleitoral, no qual estes temas são discutidos. No qual aparecem as soluções. Errado, os candidatos não estão nem um pouco preocupados com isto, com as exceções de sempre.

Não há projetos, propostas ou ideias novas. Poderíamos combater um pouco do aquecimento da cidade pintando telhados e calçadas de branco, mas quem se preocupa com isto? Melhoraria ainda mais se todos os veículos públicos, e aqueles autorizados a rodar para e pelos governos utilizassem combustíveis não poluentes.

Nada acontece, contudo. E assistimos ‘carneiramente’ a esta loucura, enquanto lavamos as calçadas com água tratada, própria para beber, que é obtida de nascentes cada vez mais distantes, raras e cujo tratamento é caro. Ou mudamos e agimos rapidamente, ou a situação ficará bem pior do que os 12% de umidade desta sexta-feira.

Read Full Post »

por Jussara Lima

Lula e Mahmoud Ahmadinejad no encontro para o acordo nuclear Brasil-Irã. fonte da foto: Diário do Vale.

Quando já se começava a pensar que, em seu último ano de mandato, o presidente Lula não seria capaz de mais nenhum absurdo, eis que surge o Acordo Nuclear Brasil-Irã, anunciado na segunda-feira. No tratado, noticiado por toda a imprensa nacional e internacional, o Irã se compromete a entregar todo o seu estoque de urânio pouco enriquecido à Turquia no prazo máximo de um mês após a aceitação do acordo pela Agência Atômica da ONU (AIEA).

Ao assiná-lo, Lula passa a ser responsável direto pelo cumprimento dessa entrega, resta, no entanto, saber como ele poderá garanti-la. Mais do que isso, ainda que o Irã entregue parte desse metal, como afirmar que o fará em sua totalidade? Lula, conforme já afirmou algumas vezes, não sabe ao certo nem mesmo o que acontece dentro de sua própria casa, debaixo de seus olhos, como poderá garantir que o amigo Mahmoud Ahmadinejad não seguirá enriquecendo urânio em terras iranianas? Que cessará suas experiências nucleares?

Um passo a trás. O acordo, do qual o companheiro Lula tanto se orgulha, traz ainda outra consequência. A simpatia imediata que provocou no presidente norte-americano, Barack Obama, que pode, facilmente, ser mensurada pelo emblemático tratamento de ‘O cara’ sofreu arranhões. Embora os EUA afirmem que não há irritação com o Brasil, conforme publicou a imprensa nos últimos dias, é certo que essa negociação não convenceu o país do Tio Sam.

Lula, ao contrário, segue confiante de seu último feito. Em seu programa semanal de radio afirmou que o acordo foi uma ‘coisa extraordinária. Só não explicou para quem. Alguém arrisca um palpite?

Read Full Post »

por Carlos Thompson

Todo time de futebol – do combinado casados x solteiros de final de semana à Seleção Brasileira – precisa de um jogador que marque como um cão de guarda e, se possível, consiga entregar a bola a um dos colegas com qualidade. Esse foi o jogador Dunga. Aplicado, organizado, metódico, um guarda-livros em campo.

Em 1990, a alcunha foi uma catarse contra o grupo que apanhou de Maradona & Cia, na Copa do Mundo da Itália.

Em 2006, uma constelação entrou em campo contra a França: Ronaldinho Gaúcho, Ronaldo Fenômeno, Robinho, Adriano, Kaká, Roberto Carlos. Jogamos mediocremente, quase de maneira vexatória, e fomos castigados pela derrota
para a França, por 1 x 0, gol de Henry.

Na volta ao Brasil, todos queriam mudanças drásticas. E que os ‘culpados’ fossem expurgados da seleção: principalmente, na opinião pública, Roberto Carlos, Cafu, Ronaldinho Gaúcho, Ronaldo. E foram: nenhum deles integra o grupo de 23 que compõem titulares e reservas. E só um deles, Ronaldinho Gaúcho, está entre os sete que podem ser chamados, se alguém se machucar ou tiver outro problema grave.

O Brasil assistiu à convocação como se fosse a uma disputa por pênaltis para decidir o campeão do mundo, nesta terça-feira, 11 de maio. Por quê? Torciam para que uma nova geração de grandes jogadores, ainda não testada em disputas internacionais, levasse um pouco de irreverência, dribles e graça a um jogo burocrático e tacanho.

Dunga foi mais Dunga do que nunca, e não os convocou, exceto Paulo Henrique Ganso, um dos sete da lista de espera.

O treinador da seleção é coerente com o seu passado: encheu o meio campo de volantes toscos, marcadores experientes que pouco ou nada ousam.

Recheou a região do campo de onde se espera um lançamento precioso, um drible hábil, uma jogada de calcanhar, com executivos que poderiam jogar com terno e gravata, carregando uma pasta 007.

E confessou que não quer correr o risco de perder.

Em meio a 23, não haveria vaga para dois moleques, no bom sentido? Não, hoje o que importa é vencer. Jogando feio, dando chutões para o lado, ou melhor, ‘cadenciando’ o jogo, como narram os especialistas.

Se vencer, será glorificado, vingado, levado em triunfo a Brasília para o desfile dos poderosos.

O futebol ficará escondido, esperando um Telê Santana redivivo, que ouse jogar bonito, como sempre se jogou no Brasil. De olho no jogo, e não no resultado.

Será uma equipe similar à de 1994, nos Estados Unidos, mas sem Romário.

Deveríamos montar uma seleção do B, com Victor, André Santos, Hernanes, Ronaldinho Gaúcho, Neymar, Ganso, Fred e Diego Tardelli. E disputar a Copa do Mundo do B, com craques que, seguramente, também foram descartados em
seus países porque talvez não façam a barba todos os dias, não digam “sim, professor” em resposta aos gritos dos treinadores, nem falem que o grupo importa mais do que a bola.

Imagino que Garrincha não jogaria em nenhum time, hoje, porque gostava de festas e não seguia a lógica do bom comportamento. Somente jogava muito, mas muito mesmo.

A Era Dunga voltou e, com a conqusita da Copa ou não, lamento profundamente a derrota do nosso melhor futebol.

Read Full Post »

por Vanessa Xaviervanessa@casadanoticia.com.br

@vanessal_xavier

Hoje o famoso músico russo Tchaikovsky (Piotr Ilitch Tchaikovsky) faria 170 anos. O doodle (imagem comemorativa) do Google presta homenagem ao compositor com uma bela foto de bailarinos do balé de São Francisco.

O menino prodígio ficou conhecido por suas ricas harmonias com mistura de elementos internacionais e melodias populares nacionalistas russas.

Às vésperas do dia das mães, vale citar que ele teve contato com o mundo musical aos cinco anos, usando um velho órgão mecânico que havia em sua casa, onde aprendeu algumas árias da moda ajudado por sua mãe de ascendência francesa.

É famoso no mundo todo pelos bailados O Lago dos Cisnes, A Bela Adormecida, O Quebra Nozes. Escreveu 10 óperas, muitas sinfonias, concertos, trabalhos para orquestra, coral, música de câmara e piano solo.

Tchaikovsky

Read Full Post »

O caos no Rio de Janeiro, castigado pelas fortes chuvas, tem pautado a mídia na última semana de forma cansativa.

A culpa, discutem os meios, seria da chuva ou da ineficiência política que durante décadas incentivou a favelização? Afinal, em 1960 10% da população carioca vivia em favelas. Hoje, 20% destas pessoas reside em condições precárias. No entanto, a discussão parece ganhar tom político ou social assistencialista, como é praxe num país que discute solução diante de um problema. É um erro.

As enchentes, deslizamentos, e tragédias causadas pela chuva são tão graves quanto os terremotos e erupções vulcânicas, que no Brasil, ainda não temos. Isso tem apenas um motivo, que ninguém discute a fundo: é ambiental.

O morro do Bumba, em Niterói, que deslizou e soterrou 50 casas e mais de 200 pessoas, foi construído sobre um depósito de lixo que funcionou até meados da década de 1980. Depois foi simplesmente aterrado e loteado. Sem tratamento, tal como sempre foram jogados ao ar livre, todo o lixo decomposto formou uma mistura de chorume e terra, e nenhum tratamento do solo foi feito para a ocupação que viria em seguida. Assim como este depósito, que aparece no documentário “L.I.X.O”, de Ronaldo German, feito em 1980, centenas de outras áreas recebem lixo sem tratamento, e postergam essa responsabilidade aos nossos filhos.

Como fruto do aquecimento global, a temperatura do Oceano Atlântico está 1,5 grau acima da média para esta época do ano, o que explica também as fortes chuvas que causaram tragédias em Santa Catarina, São Paulo, Rio de Janeiro, e mais recentemente a Bahia, Pernambuco e Sergipe. A fórmula é simples: o aquecimento das águas entra em choque com as frentes frias do sul, o que potencializa os temporais, e como conseqüência, a chuva tem sido cada vez mais forte.

A ocupação irregular levou a um problema de urbanização visto nas grandes capitais como São Paulo, Rio de Janeiro, Distrito Federal, Belo Horizonte e nas capitais do Nordeste. Sem espaço nas grandes cidades, a população mais pobre, em geral migrante de outros estados, passou a viver de forma precária em bairros distantes e, especialmente no caso do Rio, nos morros.  Mas tudo isso é conseqüência. Por melhor que seja coordenada uma política de “desfavelização” este trabalho não irá resolver a questão ambiental.

O Brasil tem recursos naturais e incontáveis riquezas. No entanto, a natureza já mostrou que tem sido justa ao devolver para o homem, alguns problemas que ele pensava ser possível postergar. É preciso repensar a questão da sustentabilidade nos planos diretores para metrópoles, modificar os hábitos com relação ao uso da água que é um bem precioso. Igualmente importante é acelerar as políticas de inspeção veicular dos automóveis, transporte de massa, consumo de energia e dos recursos em geral, e promover iniciativas como a geração de energia limpa, o uso de veículos alimentados por energias renováveis, correta destinação do lixo e reciclagem, além de modificar completamente os sistemas de locomoção nas cidades, distribuição do verde e em hábitos simples que, a longo prazo, podem ajudar a reverter essa situação calamitosa que nos encontramos. Sem dúvida situações trágicas serão cada vez mais freqüentes se nada for feito. E a origem destes problemas é ambiental.

Todos estes problemas tem origem no desrespeito ao meio ambiente, incentivado ou ignorado pelos governos, e por nós mesmos, a cada luz acesa desnecessariamente, no desperdício de água, no incentivo à pirataria e outras práticas nocivas ao nosso próprio planeta.

ilustração do falecido cartunista Glauco, que sempre demonstrou preocupação com o problema do lixo.

Read Full Post »

Por Carlos Thompson

Pelé e Armando Nogueira

Não existe ofício mais delicioso do que escrever. Não há esporte mais humano e metafísico – a um só tempo – do que o futebol. Quando os deuses do jornalismo e do futebol se unem, temos jogadores como Pelé e Garrincha. E artífices da prosa poética como Armando Nogueira. Quem acreditaria que, algum dia, o Brasil tivesse vários telejornais, com maior ou menor profissionalismo e amplitude? Muito menos que tal modelo de jornalismo evoluísse ao longo de uma ditadura militar. Ele fez o Jornal Nacional, com seus erros e acertos, e apontou o caminho aos demais. Armando Nogueira esgrimia as palavras com blandícia, elegância e nobreza. Gostava do Botafogo, mas admirava, acima de tudo, o futebol bem jogado, as ousadias dos gênios da bola, ludopedicamente falando. Frasista invulgar, marcou o jornalismo brasileiro com sua paixão pela notícia, sem abrir mão do gosto pela vida. Ao acompanhar os comentários de colegas, amigos e fãs do jornalista falecido nesta segunda-feira, 29 de março de 2010, aos 83 anos, lembrei-me da sentença de Confúcio: “Quando nasceste, todos riam, só tu choravas. Vive de tal modo que, quando morreres, todos chorem, só tu sorrias”. Que, devido a sua elegância em vida, seja permitido a Armando, em algum recanto espiritual, ver os jogos da Copa de 2010. É o mínimo que ele merece.

Read Full Post »

Older Posts »